Concerto Daniel Teruggi | Festival Imersivo

 Dia 14 de Abril de 2023 | Daniel Teruggi

Notas de Programa:

Après une réécoute de Sud (2017) 10’ - 8 canais

    Criação no Festival Formate Grapes, Charité sur Loire, Julho 2017
    Esta obra é uma homenagem a Jean-Claude Risset, um compositor e investigador científico único que influenciou toda uma geração de músicos através das suas contribuições para a música computacional, a sua compreensão dos fenómenos sonoros, a sua audição e o seu sentido de diálogo, sempre atento e aberto. Queria prestar-lhe homenagem através da sua obra emblemática Sud, uma obra que explora o seu universo sonoro e os seus amados calanques.
    Alguns sons extraídos de Sud constituem a matéria-prima desta obra.



Remembering (2018) 18’19 - 8 canais

    O enriquecimento da nossa memória é uma actividade constante no ser humano, e a nossa sociedade desenvolveu ferramentas de memorização externa que nos remetem permanentemente para o nosso passado e se tornam também ferramentas de projecção para o futuro. Após 40 anos de carreira musical, tenho mantido milhares de sons de um trabalho permanente de exploração do material sonoro e invenção de novos sons. Estes sons estão na sua maioria associados a projectos musicais e, portanto, de alguma forma desgastados através da sua utilização. No entanto, o regresso a estas fontes permitiu-me descobrir sons "esquecidos" para a minha memória, feitos durante as minhas primeiras experiências, que mantiveram o rasto das minhas ideias naquele momento. Para alguns sons, eu tinha até esquecido o contexto da sua invenção! Estes sons tornam-se então memórias futuras; contam histórias futuras imaginadas há 40 anos atrás; memórias que existiam antes do seu tempo de realidade.
    Assim, comecei a trabalhar com este material perdido e a partir deste núcleo inicial construí novos materiais que poderiam ressoar com estes sons antigos; um eco contemporâneo do passado e com a visão das minhas ideias de hoje. Os sons de hoje integraram a obra, permitindo a fusão do passado e do presente, voltados para um futuro.
    De um ponto de vista mais técnico; durante 20 anos, tenho vindo a explorar através das minhas obras acusmáticas o funcionamento do som no espaço, composto para configurações de concertos com numerosos pontos de difusão. Este tipo de dispositivos permitiu-me imaginar e construir situações musicais sempre diferentes, onde o movimento e o posicionamento das fontes têm uma forte influência sobre a construção musical e a estética da obra. Remembering explora a situação em que 8 fontes independentes constroem um espaço envolvente e permitem o jogo subtil de recordação da memória.
    Remembering foi composta no meu estúdio durante 2017 e foi estreada em Paris no dia 27 de Janeiro de 2018, na série de concertos Mutliphonies. A obra foi encomendada pela Ina GRM.



Unsoundables (2021) 17’ - 8 canais

    Encomendado por Musiques & Recherches, em 2021
    Esta peça poderia ter sido chamado "Insondables" com uma ligeira ambiguidade entre som e sonda. Em inglês a palavra som em Unsoundable refere-se a som e sonda, sem alterar a escrita, e também tem vários outros significados: fiável, profundo, seguro, imperturbável... Perante esta profusão de significados, o inglês ganhou na minha busca imaginária por lugares a que não podemos aceder e que têm uma dimensão sonora que escapa à nossa audição. Lugares que vemos ou percebemos, mas onde o acesso é impossível e que representam possíveis universos sonoros. Podemos então enviar uma sonda para lá; neste caso, mental e imaginária, para explorar esses lugares. A sonda mental explora os lugares, situações, espaços onde o nosso corpo não pode aceder. 
    E, como uma sonda que enviaremos para o subsolo, descobrimos universos diferentes, por vezes semelhantes aos que conhecemos, por vezes totalmente impossíveis. Várias situações curtas sucedem-se como uma rápida viagem a estes lugares insondáveis, cada uma com a sua família de sons, o seu espaço e a sua lógica. Embora os lugares sejam referenciados na minha peça, não há necessidade de dar pistas; a imaginação do ouvinte irá facilmente identificá-los.



Punctus Spatio (2022) 17’09 - 16 ou 32 canais

    Encomendado pela ZKM | Hertz-Lab como parte do projecto EASTN-DC, co-financiado pelo "Programa Europa Criativa" da União Europeia.
    Altifalantes dominam fortemente o nosso ambiente de escuta, e desde os anos 60 que têm sido feitas tentativas para introduzir uma perspectiva de escuta tridimensional. Quatro canais, oito canais, 5.1, 7.1, etc., são configurações diferentes nas quais o ouvinte é imerso em som através dos altifalantes circundantes. Quando os compositores trabalham com estes ambientes, utilizam estratégias espaciais diferentes que podem implicar que cada altifalante reproduz um som diferente, o mesmo som proveniente de vários altifalantes ou som que se desloca de um altifalante para outro, criando assim trajectórias.
    Em Punctus Spatio, muitos dos altifalantes disponíveis no "Kubus" são considerados como produtores pontuais de som; os sons reproduzidos por eles provêm apenas desse altifalante, dando uma espécie de "identidade sonora" a cada um deles. Outros sons invadem todo o espaço ou sugerem movimentos e trajectórias, interagindo assim com o Punctus.
    Mas Punctus Spatio não é apenas uma história de pontos e movimentos... Os sons pontuais são os principais elementos de partida, mas o resultado é a música. Os pontos fundem-se em linhas, e linhas configuram superfícies, e linhas e superfícies criam imagens na nossa mente. O espaço cria o encanto, a fusão de pontos de perceção que interagem com as nossas memórias, imaginação e a nossa extraordinária capacidade de organizar sons na forma.




Daniel Teruggi
    Compositor, director do GRM de 1997 a 2017, e do Departamento de Investigação de 2011 a 2016 no Ina, Daniel Teruggi tem desenvolvido a sua actividade musical em França desde 1977, ano em que deixou a Argentina.
    O seu trabalho de composição sempre esteve no campo da electroacústica e acusmática ou acompanhado por instrumentos; desde 2004 tem-se concentrado em obras multifónicas que esculpem o espaço através dos seus movimentos e localizações.
    Para além do seu trabalho musical, desenvolveu uma importante actividade internacional em torno dos arquivos audiovisuais, em particular os arquivos musicais e a complexidade inerente à preservação do facto musical. Compôs mais de 100 obras, principalmente para concerto, mas também para teatro e cinema.
    Em 2016, recebeu o Prémio de Carreira Musical da Society for Arts and Technology no Canadá, bem como o Prémio SMPTE Archival Technology Medal Award pelos seus esforços na preservação do conteúdo audiovisual, particularmente da música.

Daniel Teruggi

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Festival Imersivo 2024

DME | Aveiro_Síntese

Concerto Pedagógico | Conservatório de Música de Santarém