Larry Axelrod | Piano Solo

 


Larry Axelrod | Portugal from Inside Out

Lisboa Incomum, 19 de Janeiro de 2024, 19h30


Larry Axelrod, pianista, compositor e maestro, apresenta-se no Lisboa Incomum num recital de piano a solo dedicada a música de compositores portugueses e com a uma ligação a Portugal. O programa faz uma viagem por repertório contemporâneo para piano solo e com electrónica.

A entrada é livre, mediante reserva para lisboaincomum@gmail.com


Sinopse:

Durante os dois últimos anos em Portugal, tive a sorte de conhecer muitos compositores e de conhecer a música de muitos outros. Este programa reunirá músicas de compositores portugueses autóctones que criam no país, de portugueses que hoje vivem noutro local, de um estrangeiro que viveu e trabalhou nos Açores durante vários anos e depois partiu, e de um estrangeiro que agora chama Portugal de casa. Espero que estas quatro perspectivas relacionadas permitam ao público ver o efeito de Portugal nos compositores de uma nova forma.


Programa:

Jorge PeixinhoEstudo 3 (1979)

Sérgio AzevedoPequenos Estudos Característicos (seleções) (2020/21)
4. Gnomus
12. Para os acordes (Valsa lenta) 20. Fogo-fátuo
15. Märchen
23. Alucinante
6. Entrecruzado
9. Das fontes e repuxos de água

Carlos CairesDuetto (2001)
I Partita
II Fantasia
III Toccata
IV Postludio

Andreia Pinto-CorreiaSilêncios, Atmosferas e Utopias (2008)

Eduardo Luis PatriarcaMeditação (2007)

Timothy Ernest JohnsonTerceira de Saudade (2023)

Diogo AlvimPeça com Vista (2018)

Lawrence Axelrod(un)settled (2022)


Notas de Programa:

Jorge PeixinhoEstudo 3 (1979)

Jorge Peixinho disse sobre a sua música: "O objetivo da minha música é a construção e organização de um mundo sonoro novo e pessoal. Explorei profunda e intensamente todas as relações entre harmonia e timbre para construir uma espécie de rede muito densa de sons transformados. A principal caraterística da minha música é uma espécie de "atmosfera sonora sonhadora", na qual pequenas transformações surgem através de artifícios contrapontísticos, filtragem harmónica e tímbrica, etc. Também atribuo grande importância à ambiguidade entre continuidade e descontinuidade".
Todas estas qualidades estão bem patentes nesta curta e marcante obra para piano. Um acorde de Si bemol maior é mantido durante quase toda a peça, enquanto todos os tipos de gestos não tonais ocorrem. O compositor dá-nos uma piscadela de olho no final, terminando com um acorde de 7ª dominante não resolvido.

Sérgio AzevedoPequenos Estudos Característicos (2020/21)

Há uma história rica e maravilhosa de miniaturas para piano, e Sérgio Azevedo acrescentou a essa história. Em termos de temperamento, estas peças estão intimamente relacionadas com as Visions Fugitives de Sergei Prokofiev. Todos estes pequenos estudos têm uma imagem ou ideia precisa, reflectida num tema musical concentrado ou num desafio técnico.


Carlos CairesDuetto (2001)

Esta obra para piano e eletrónica começou por ser uma peça muito maior. Após a primeira apresentação, o compositor decidiu que a composição beneficiaria se eliminasse as secções de improvisação com eletrónica e a reduzisse à sua forma atual. Os quatro andamentos independentes contrastam harmonias vigorosas e ritmos agitados com momentos líricos. A eletrónica é agora um pano de fundo zumbido contra a parte envolvente do piano.


Andreia Pinto-CorreiaSilêncios, Atmosferas e Utopias (2008)

O compositor escreve: "Silêncios, atmosferas e utopias, reflecte o meu interesse pela permutação de um motivo simples e pela utilização de contrastes texturais.
A peça divide-se em três sentimentos distintos: a contemplação sugerida pelos padrões de repetição no final da exposição do motivo, normalmente acompanhada por uma diminuição da dinâmica, presente nas passagens em fortíssimo e na utilização alternada das duas mãos e o mistério, sugerido pelas vozes distantes em ppp, representando utopias. À medida que a peça se desenvolve, estes sentimentos começam a refletir-se uns nos outros."


Eduardo Luis PatriarcaMeditação (2007)

Num só álbum para piano estão quatro peças de Eduardo Luis Patriarca: Mantra 12 e 3 e Meditação. Estas peças reflectem o forte interesse do compositor pela meditação budista e a sua utilização na sua produção musical. Ele escreve: "3 Mantras e Meditação" foi escrita para o Concurso Marília Rocha em 2007. Os três mantras foram criados como peças obrigatórias em diferentes níveis e Meditação foi estreada no concerto de abertura pelo pianista Fausto Neves. Cada um dos mantras utiliza relações traçadas entre a análise espetral dos mantras associados aos chakras, distribuídos dois a dois: primeiro e segundo no Mantra 1, terceiro e quarto no Mantra 2, quinto e sexto no Mantra 3. A meditação utiliza apenas o sétimo chakra. A cada um destes chakras estão associados números, que são aqui utilizados para padrões de repetição rítmica."


Timothy Ernest JohnsonTerceira de Saudade (2023)

O compositor/guitarrista Timothy Ernest Johnson passou vários anos a ensinar no conservatório dos Açores. Esta peça é uma boa recordação desses anos, a partir da sua atual localização em Chicago. A beleza da ilha Terceira, nos Açores, e dos seus arredores era infinitamente encantadora. Subindo uma das montanhas mais altas do centro da ilha, uma vez no cimo, a vista abre-se para uma vasta e deslumbrante extensão da ilha e do mar. Terrenos verdejantes
As parcelas verdejantes, rodeadas de rocha vulcânica escura, conduzem o olhar para as estruturas vermelhas com telhados de terracota das aldeias europeias tradicionais na costa. Para além disso, o vasto Atlântico e o horizonte. Fui convidado por um dos meus alunos de guitarra clássica no conservatório para participar na celebração do Carnaval como violinista com um grupo da vila de Biscoitos. Passei quatro dias a percorrer o perímetro da ilha, actuando em todas as aldeias por onde passámos e absorvendo uma grande quantidade de cultura e música tradicionais. A minha passagem pelos Açores foi repleta de experiências novas e surpreendentes, e foi a beleza sedutora, bem como as pessoas que deixei para trás - os meus queridos amigos - que me ensinaram o verdadeiro significado de saudade.


Diogo AlvimPeça com Vista (2018)

Esta obra utiliza notação gráfica em vez das tradicionais notas musicais.
O compositor pegou numa fotografia, que é uma vista do local onde vive, reduziu-a a linhas e impôs-nas numa página de música. O intérprete pode ver as linhas pelos objectos que representam e também como indicadores numa pauta musical. A única indicação na partitura, para além da vista, é o tempo: cerca de cinco minutos.


Lawrence Axelrod(un)settled (2022)

As grandes mudanças na vida afectam-nos inevitavelmente enquanto compositores. Podem afetar, intensificar ou perturbar a nossa produção, a nossa inspiração ou a nossa linguagem. Podemos não saber o impacto total até muito mais tarde, mas é evidente que algo diferente está a acontecer.
A minha mudança para Portugal foi uma coisa positiva e feliz, mas provocou muita autorreflexão sobre o que encontrei aqui e o que deixei para trás. Estas diferentes tensões transparecem claramente nesta peça.
Nesta peça, utilizo um piano de brincar e um piano de cauda. Para mim, o piano de brinquedo, para além de ser uma cor de som diferente e uma extensão do piano de cauda, também transmite uma sensação de inocência e simplicidade.
Esta peça utiliza também uma faixa eletrónica como complemento e contraponto do piano acústico. A eletrónica dá continuidade emocional e temática, tal como o piano. Muitos dos sons electrónicos foram recolhidos aqui em Lisboa - de comboios, metro e avião. As citações musicais são expressões da tensão que sinto entre a minha antiga e a minha nova casa.
A eletrónica foi criada com a ajuda do meu amigo Alex Inglizian no Experimental Sound Studio em Chicago.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Festival Imersivo 2024

International Masterclass for Composers 2024

Corpos Sonoros