Festival Imersivo 2024 | Åke Parmerud

Festival Imersivo 2024

22 a 24 de Março de 2024 | Lisboa Incomum


Åke Parmerud
Dia 22 de Março, sexta-feira | Concerto: 19h30 



Adagio, Louder than life (2021)

Adagio é o primeiro andamento da composição Louder than life, composta entre 2020 e 2021. A peça é composta por cinco andamentos. Adagio, Scherzo, Largo, Presto e Coda. A peça destina-se a ser tocada na sua totalidade, mas também podem ser executados andamentos separados ou combinações de andamentos. A peça é em memória do meu querido amigo, o compositor Anders Blomqvist, que faleceu em dezembro de 2020. O movimento Adagio foi galardoado com o primeiro prémio no concurso Metamorphoses 2022



Electric birds (2013)

Prometi a mim próprio, a dada altura, nunca fazer uma peça baseada em sons de pássaros. Talvez um dos materiais sonoros mais explorados na música electroacústica. Também prometi a mim próprio nunca escrever uma peça para guitarra, nunca escrever uma peça para cravo e um par de outros projectos que não quero. Quebrei todas essas promessas solenes por uma razão ou outra. Portanto, agora também quebrei a promessa de "não escrever uma peça para pássaros".
Aconteceu porque conheci um artista plástico australiano na Colombia que me apresentou gravações de sons de aves do seu país. Foi espantoso. Alguns destes pássaros pareciam completamente eléctricos ou talvez como um animal de outro planeta. Eu simplesmente não consegui resistir! Na primeira metade da peça, quase todos os sons são inalterados, acredite-se ou não. É só na segunda metade da peça que eu começo a empurrar os sons originais mais para o universo do processamento. Mesmo os sons graves no início são sons naturais de um pássaro aparentemente muito pequeno. Como é que isso é acusticamente possível é um mistério. A natureza é de facto fantástica.


Heavy metal (2023)

Depois de Growl 1915, quis voltar a uma espécie de composição cruzada entre o sentimento rock/metal e os estilos electroacústicos "clássicos". Não há muito a dizer sobre ela, para além do facto de me ter divertido muito a fazê-la. A peça foi misturada no estúdio Musique & Recherce em Ohain, Bélgica, com o gentil apoio de Annette Vande Gorne.



Guitars unchained (2024)

Guitars unchained é um "spinoff" de uma peça antiga para guitarra e computador que fiz em 1999. Havia bastante material sonoro interessante que não utilizei, juntamente com algum outro material que era reutilizável. Como estou a fazer uma série de peças acusmáticas construídas exclusivamente a partir de um único instrumento acústico ou de uma família de instrumentos, como um conjunto de cordas ou algo semelhante, decidi fazer uma peça baseada na guitarra. A peça foi misturada no estúdio Musique & Recherce em Ohain, Bélgica, com o gentil apoio de Annette van de Gorne.


String quartet II (2013)

String quartet II refere-se a uma peça que fiz em 1988 chamada Stråkkvartett (quarteto de cordas). Nessa altura, o sampling era uma coisa muito nova e estava prestes a mudar o mundo da música eletrónica. Decidi ver o que podia fazer com esta nova tecnologia para criar uma peça da tradição instrumental, mas com um novo toque. Desde meados de 1990, quando a Yamaha lançou o primeiro sintetizador de modelação física, a ideia de imitar instrumentos acústicos usando apenas cálculos matemáticos tem estado no roteiro há algum tempo. No entanto, os resultados desde então têm sido menos do que impressionantes. Até agora... Encontrei recentemente um sintetizador de modelação física da empresa sueca Reason chamado "Friction" que me impressionou. Uma vez que a modelação física permite não só criar impressões realistas de instrumentos acústicos, mas também permite várias formas de alterar o comportamento das propriedades acústicas. Senti isto como uma oportunidade para mais uma vez explorar uma nova forma de usar a forma "clássica" do quarteto de cordas no estranho e maravilhoso mundo da magia digital. Os últimos 10 segundos da peça usam os últimos 10 segundos do primeiro quarteto de cordas.


Strata (2024)

Strata é baseado em vários instrumentos de percussão. O título reflecte a forma como tentei trabalhar em diferentes camadas de expressões que vão do escuro ao claro, do pesado ao leve, do fluido ao repetitivo. Esta peça será a quarta nas minhas histórias de variações acústicas em instrumentos acústicos.
A peça foi encomendada pela DME para o Festival Imersivo 2024 e foi misturada no estúdio do Projecto DME no Lisboa Incomum.







Åke Parmerud é um artista com uma presença global na música contemporânea e na arte dos media. Para além da sua música electroacústica e instrumental, o seu trabalho inclui composições que abrangem uma vasta gama de música experimental moderna em áreas como a dança, o cinema, a arte interactiva, a multimédia, o teatro e o vídeo. Recebe regularmente encomendas para compor obras para instituições internacionais e, em 1997, a sua peça "Grains of Voices" foi apresentada nas Nações Unidas, em Nova Iorque, no Dia das Nações Unidas. A sua música foi lançada em oito álbuns a solo e em vários álbuns de compilação. Åke Parmerud é também um artista de palco e realiza concertos com instrumentos interactivos, muitas vezes como solista. Em 1998, foi nomeado membro da Academia Real Sueca de Música.
Com formação em fotografia, prosseguiu os seus estudos de música na Universidade de Gotemburgo e, mais tarde, na Faculdade de Música da Universidade de Gotemburgo. Desde que a sua obra "Proximities" ganhou o primeiro prémio no festival internacional de música electroacústica em Bourges, França, em 1978, recebeu 17 prémios internacionais e três grandes distinções suecas.
Por duas vezes, foi galardoado com o Grammy sueco para o Melhor Álbum Clássico do Ano, e a sua música representou a Rádio Sueca por duas vezes no Prix Italia, além de ter sido nomeada para o principal prémio de música do Conselho Nórdico.
As suas actividades artísticas deram origem a várias colaborações internacionais. Entre 1999 e 2006, trabalhou em estreita colaboração com o grupo dinamarquês Boxiganga Teater, desenvolvendo instalações de vídeo interactivas inovadoras e conceitos telemáticos e soluções interactivas para espectáculos em palco. De 2000 a 2002, colaborou com o coreógrafo canadiano Pierre-Paul Savoi como compositor, designer de som e de software. Entre 2003 e 2017, criou espectáculos interactivos de dança e vídeo em colaboração com a coreógrafa canadiana Mireille Leblanc, tendo recebido o Prémio Walter Fink em 2008 pelo melhor espetáculo de dança inovador, "The Seventh Sense". Trabalhou também como designer visual e compositor com o coreógrafo Gun Lund em vários trabalhos e forneceu o design de som para a produção da coreógrafa Margareta Åsberg "A Thousand Years with God".
No final dos anos 80, formou um duo com o compositor Anders Blomqvist. Os seus espectáculos ao vivo, que incluíam fogo de artifício, foram bem sucedidos em toda a Europa até aos anos 90. De 1999 a 2010, trabalhou como designer inovador de som e software para instalações e performances interactivas de som e imagem. Os seus próprios trabalhos, "The Fire Inside", "The Living Room" e "Lost Angel", foram expostos em Berlim, Gotemburgo, Leon, Cidade do México, Paris e Reiquiavique. Foi também curador de concertos e diretor artístico de grandes eventos audiovisuais, tanto no interior como no exterior, incluindo os World Music Days em Estocolmo, em 2002. Desde 2002, tem trabalhado com Olle Niklasson na empresa de design de som Audio Techture, que recebeu o prestigiado prémio Red Dot Design Award em Berlim em 2015.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Festival Imersivo 2024

Vozes de Revolução | Ourique

Bartolomeu, o Voador | EACMC