NoisINoise



NoiseINoise

Residência Artística | 5 a 7 de Outubro de 2023

Concerto | 7 de Outubro de 2023, 19h30, Lisboa Incomum


NoiseINoise é uma colaboração internacional entre o compositor suíço Micha Seidenberg, a compositora alemã Karin Wetzel e Rafal Zolkos, um flautista polaco residente na Suíça. O resultado do projeto é apresentado numa digressão internacional de concertos na Suíça, Polónia, Alemanha e agora em Portugal. Os artistas estarão em Residência Artística no Lisboa Incomum de 5 a 7 de outubro, em colaboração com a jovem compositora portuguesa Olívia Silva, que trabalhará uma nova obra para flauta e electrónica, encomendada pelo Projecto DME.
A apresentação final da residência realizar-se-á no sábado, dia 7 de outubro, pelas 19h30. O programa do concerto baseia-se em novas obras para flauta e electrónica relacionadas com o tema central do projeto: uma nova perspetiva do ruído como material musical.

A entrada é gratuita, mediante reserva para lisboaincomum@gmail.com


Sinopse:

O ruído é omnipresente enquanto matéria-prima do som. Obriga-nos a selecionar e filtrar constantemente a informação. Este processo pode, por sua vez, ser visto como uma fase preliminar à composição. Neste programa, três novas obras para flauta (baixo) e eletrónica exploram toda a escala entre ruído, som e estados semelhantes ao ruído. Oscilam entre o seu lado áspero e o seu lado frágil, exploram as suas fronteiras sónicas, perfurando as transições e fazendo zoom nas suas profundezas. Juntamente com a peça em fita "Mycosilence" de Olga Kokcharova, quatro perspectivas diferentes sobre este fascinante material arquetípico do som encontram-se.


Programa

Olívia Silva: Sound Poem (2023)* [ca. 10]
para flauta e electrónica

Karin Wetzel: Dyadic Movement (2022) [ca. 15]
para flauta baixo e electrónica em tempo real

Olga Kokcharova: Mycosilence (2019)
electrónica fixa para quatro canais

Micha Seidenberg: At night they listen to all creatures  (2022) [ca. 15]
para flauta baixo e electrónica em tempo real

Rafal Zolkos, Flautas
Olívia Silva, Karin Wetzel, Micha Seidenberg, Electrónica



Notas de Programa:

Olívia Silva: Sound Poem (2023)

Os aspetos fonéticos do discurso e linhas melódicas do instrumento solista são parte primordial desta peça. “A maioria do pessoal toca isto como se fosse na clave de sol” é uma frase repetida e desconstruída, em que os elementos fonéticos são traduzidos para o instrumento solista. Este material é igualmente inserido na eletrónica, sendo transformado para obter um resultado sonoro que lembra, ainda que vagamente, um sound poem. A este sound poem juntam-se as múltiplas camadas da eletrónica, construídas e trabalhadas inteiramente a partir das diversas gravações de flauta, que se repetem e transformam ao longo da peça. As várias camadas são formadas, tendo em consideração uma conjugação de elementos, onde o foco está nas propriedades do som e não na sua fonte, no seu timbre e na forma como ele é percecionado. Deste modo, o instrumento solista fica desprovido das suas características idiomáticas. Este é apenas uma camada sonora que se sobrepõe à eletrónica, tal como o discurso humano, desmembrado nos seus elementos fonéticos.


Karin Wetzel: Dyadic Movement (2022)

Dyadic Movement para flauta baixo e eletrónica ao vivo centra-se no ruído produzido por diferentes formas de som e articulação, bem como nos movimentos alternados permanentes entre elas. Ruído, som e movimento não podem ser pensados separadamente, mas estão ligados uns aos outros de forma diádica. Através de microfones, os sons são ampliados, amplificados, processados, variados, multiplicados, de modo a deixá-los fundir-se completamente no fluxo dos gestos sonoros e sonoros desencadeados.


Olga Kokcharova: Mycosilence (2019)

Será que uma avestruz ("ostrich") põe a cabeça no solo para o ouvir? Em vez de negar a realidade, a expressão "ostriching" significaria fechar os olhos, ficar parado, tornarmo-nos disponíveis para o mundo.
Se também nós, tal como a avestruz, pudéssemos ouvir o solo, onde centenas de milhões de organismos habitam cada metro quadrado, isso mudaria num instante a imagem de uma superfície rígida, plana e inerte que por vezes temos dele.
O que é que ouvimos? Quem é que ouvimos? Como é que interpretamos estas mensagens? Os trilhos tornam-se turvos com perguntas sem resposta.
Se aceitarmos por um momento abandonar a procura constante de ligar a nossa experiência ao que já sabemos, é o imediatismo da experiência. Deixar de ver, sentir-se invisível, ser testemunha secreta e vulnerável de actividades que normalmente nos são ocultadas, é dar-se conta da multiplicidade de mundos que coexistem em paralelo, é aceitar a nossa própria multiplicidade.


Micha Seidenberg:  At night they listen to all creatures  (2022) 

Três camadas tornaram-se relevantes para este trabalho: a colaboração como princípio orientador da minha musicalidade, o trabalho criativo com o material das oficinas e, finalmente, o mágico.
Para mim, compor tornou-se cada vez mais sinónimo de colaboração. Quero desenvolver obras para e com pessoas. Quando componho, quero pensar num interlocutor com a sua própria voz, gestos e presença e deixar que isso influencie o meu trabalho. Gravei todos os workshops que foram necessários para o desenvolvimento de At night they listen to all creatures. Destas, filtrei as sequências em que Rafal Zolkos fala, comenta, suspira ou respira alto, de modo a que apenas os ruídos permaneçam. Isto resultou em sequências de diferentes durações cujo material sonoro consiste em fragmentos muito curtos de ruído. Até certo ponto, estes são os sons residuais do processo de filtragem. Muitas vezes, são fonemas ou consoantes isoladas.
Utilizei este material de duas formas diferentes. Por um lado, como uma estrutura rítmica e temporal, que sampleei composicionalmente e juntei como uma "colagem". Por outro lado, estiquei os pequenos fragmentos de ruído em respostas de impulso semelhantes a sussurros ou transformei-os, através de análise e ressíntese, em espectros coloridos com curvas de envelope lentas. É assim que Rafal Zolkos acaba por ressoar nos ruídos da sua própria voz.
No mágico, processo acima de tudo experiências pessoais. Muitas vezes deito-me ali durante horas à noite. Surgem todos os tipos de sentimentos e experimento uma grande variedade de mundos sónicos. Pouco a pouco, surge um mundo mágico. Nele, pequenos ruídos transformam-se em flutuações selvagens, sons esporádicos de estalos fundem-se em ritmos complexos, aqui e ali junta-se um arranhar ou um zumbido distante, até que tudo se precipita e chocalha, apenas para imediatamente se transformar de novo no maior silêncio. Quanto mais tempo estou deitado, mais mágico se torna este mundo de sons.
Uma criatura mágica com muitas escamas brilhantes emergiu destas experiências. Elas tilintam e estalam a cada movimento. A voz une os ruídos da terra e fala a linguagem da saudade. Pelo sibilo terno sou abraçado e curado, caio no sono acompanhado pelo sibilo, sou coberto pela respiração suavemente chocalhante. Eles dormem, acordam, movem-se e dançam até de manhã.


Rafal Zolkos


Karin Wetzel

Piotr Peszat ©2022_Johannes Berger

Micha Seidenberg

















Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Festival Imersivo 2024

DME | Aveiro_Síntese

Cultura & Sustentabilidade 2023