Festival Música Contemporânea Évora 2023




@Mike The Axe


Festival de Música Contemporânea de Évora 2023

3 a 5 de Novembro


O Festival de Música Contemporânea de Évora está de regresso! Tem curadoria do Projecto DME, em parceria com a Câmara Municipal de Évora e a Escola de Artes da Universidade de Évora. Nestes mesmos moldes, o festival contou já com uma edição em 2021. Este ano, realiza-se entre 3 e 5 de Novembro, e dedicar-se-á às ligações entre a música e a performatividade em palco.

O Ensemble DME estreará uma obra de Gerhard Stäbler e Kunsu Shim, que estarão presentes no Festival, encomendada pelo Projecto DME para esta ocasião. Com o ensemble tocarão ainda um conjunto de alunos instrumentistas da Escola de Artes da Universidade de Évora.

Conta-se ainda com os recitais a solo da pianista Ana Telles e do jovem percussionista Paulo Amendoeira, a quem se juntam os percussionistas David Russo e Gonçalo Cerqueira, alunos da Universidade de Évora, e de dois ensembles de renome: Vertixe Sonora (Espanha) e ars ad hoc (Portugal). Este último estreará uma obra para quarteto de cordas de Mariana Vieira, compositora também em destaque neste festival, com a sua obra para coro e electrónica "Coro dos Pequenos Cidadãos", a ser apresentada por um coro participativo que junta habitantes locais em palco, com direção musical do Pedro Nascimento e encenação de Jade Cambournac.

Mais informações em breve.

A apresentação de cada concerto do festival necessita de reserva através do site que se encontra abaixo:

 

Programa Completo:

3 de Novembro

18h00, Salão Nobre do Teatro Garcia de Resende
Diálogos de som e imagem: Obras para piano, electrónica e vídeo | Ana Telles

21h00, Auditório do Colégio Mateus d’Aranda:
FADENSPIELE | Performance-Concerto
Ensemble DME, Gerhard Stäbler & Kunsu Shim | Com a participação dos alunos da Escola de Artes da Universidade de Évora


4 de Novembro

16h30, Palácio de D. Manuel:
Coro dos Pequenos Cidadãos | Mariana Vieira

18h00, Palácio de D. Manuel:
Coro dos Pequenos Cidadãos | Mariana Vieira

21h00, Auditório do Colégio Mateus d’Aranda:
Vanitas | Ensemble Vertixe Sonora


5 de Novembro

16h30, Palácio de D. Manuel:
r.mutt
Paulo Amendoeira | Com a participação dos alunos da Escola de Artes da Universidade de Évora David Russo e Gonçalo Cerqueira

21h00, Auditório do Colégio Mateus d’Aranda:
A Versatilidade das Cordas | ars ad hoc





Diálogos de som e imagem: Obras para piano, electrónica e vídeo | Ana Telles
18h00, Salão Nobre do Teatro Garcia de Resende [ca. 60']

Sinopse:

Neste recital dedicado à recente música de compositores portugueses, envolvendo o piano e diferentes tipos de meios electrónicos, pretende-se homenagear a produção de João Pedro Oliveira, Carlos Marecos, Carlos Caires e João Madureira. Nascidos entre 1959 e 1971, estes compositores representam diferentes abordagens, estéticas e linguagens, sendo considerados expoentes da produção musical contemporânea no nosso país. Por outro lado, privilegiou-se a interacção som-imagem, pois todas as obras apresentadas incluem uma componente videográfica, produzida com meios diversos em diferentes contextos. Por último, este programa espelha não só o trabalho colaborativo desenvolvido na Escola de Artes da Universidade de Évora, através da interacção entre vários dos seus docentes e estudantes, mas também com outras instituições de ensino superior portuguesas e estrangeiras (Escola Superior de Música de Lisboa, Universidade de Aveiro, University of California - Santa Barbara) e com importantes festivais nacionais e internacionais (Dias de Música Electroacústica, Monstra, Arras Film Festival).

As obras de João Madureira incluídas no programa foram escritas para Ana Telles, a quem são dedicadas, tendo sido estreadas em 2012. Para essas obras, foram elaboradas videografias da autoria de Maria Jacobetty Bacelar e João de Bettencourt Bacelar (docente da Escola de Artes da Universidade de Évora, tal como Ana Telles), publicadas na versão online da revista A Magazine. A obra de Carlos Caires e Emmanuel Kowandy resulta de uma parceria desenvolvida no âmbito da Temporada cruzada França-Portugal, tendo sido apresentada no Festival de animação Monstra, em Lisboa, e no Arras Film Festival (Arras, França), em 2022. A Casa do Cravo, de Carlos Marecos, encomenda do Festival Dias de Música Electroacústica, foi estreada por Ana Telles em 2019; com vista à sua inclusão no presente recital, foi elaborada uma leitura videográfica por estudantes da Licenciatura em Artes Plásticas - Multimédia da Escola de Artes Universidade de Évora, sob a orientação de Teresa Furtado e Miguel Soares, que aqui se apresenta. In Tempore, para piano e electrónica, de João Pedro Oliveira, é uma obra de 2000; dezasseis anos mais tarde, o compositor desenvolvia a versão com videografia e videomapping da sua própria autoria que integra este recital.


Programa:

João Madureira: Estudos Literários – Retratos (2011-13):
                           Cristiana (versão com vídeo de Maria Jacobetty Bacelar)
                           A.H. (versão com vídeo de  João de Bettencourt Bacelar)

João Madureira: Coroa (2011) (versão com vídeo de João de Bettencourt Bacelar)

Carlos Caires/Emmanuel Kowandy: NuN (2022), para piano, electrónica e vídeo de animação

Carlos Marecos: A Casa do Cravo (2019), para piano e electrónica (versão com vídeo de estudantes da Licenciatura em Artes Plásticas - Multimédia da Universidade de Évora, sob a orientação de Teresa Furtado e Miguel Soares)

João Pedro Oliveira: In Tempore (2000), para piano, electrónica e vídeo


Compra o teu bilhete gratuito aqui 


FADENSPIELE | Performance-Concerto
Ensemble DME, Gerhard Stäbler & Kunsu Shim | Com a participação dos alunos da Escola de Artes da Universidade de Évora
 21h00, Auditório do Colégio Mateus d’Aranda [ca. 60’]

Sinopse:

Brincar (to play) é uma atividade essencial do ser humano. Sem brincar, não passamos de mulas que puxam o pau ligado a pesadas mós para toda a vida. Os jogos de hoje não são, afinal, os das crianças que, alheias ao mundo, se concentram numa atividade, muitas vezes sem sentido. Os jogos actuais estão longe de ser "jogos em si". Porque lhes falta a interação entre a pessoa que joga e a coisa jogada, ou seja, a "coisa", como mostra a seguinte história budista: um pedreiro que estava a fazer uma estátua de Buda disse: "Tu tornas-te um Buda por minha causa, e eu torno-me um Buda por tua causa". Portanto, isto fala de uma atividade sem objetivo (atenção, "tornar-se um Buda" não é um objetivo no sentido quotidiano). O concerto performativo "FADENSPIELE" refere-se exatamente a esta ideia de brincar (playing), o que significa uma utilização diferente das coisas, dos sons e de outras referências ao eu.

Hoje em dia, a arte tornou-se geralmente um meio para atingir um fim. Nenhuma coisa no mundo é per se um meio de compulsão externa. Mas continuamos a chamar-lhes bens de consumo na vida quotidiana, e a nossa atividade está essencialmente ligada a eles para que seja possível consumi-los. As coisas são também meios de poder. São objeto de compulsão externa quando deixamos de lidar com elas de uma forma "playful" (lúdica).

A segunda parte do concerto-performance "FADENSPIELE" foi sobretudo possível durante um workshop de dois dias com alunos da Escola de Artes da Universidade de Évora, dedicado a esta questão tanto num fórum aberto e prático, como em torno de actividades músico-performativas cujas regras nós propusemos.


Programa:

„Desenrolo-me como uma meada multicolor, ou faço comigo figuras de cordel, como as que se tecem nas mãos espetadas e se passam de umas crianças para as outras. Trato só de que o polegar não falhe o laço que lhe compete. Depois viro a mão e a imagem fica diferente. E recomeço. (F. Pessoa)

Parte (I)
Jaime Reis (1983): Sangue Inverso: Rosa do Deserto (2022) [ca. 15’]
para violino, violoncelo, flauta, clarinete e piano

Karlheinz Stockhausen (1928-2007): Der Kleine Harlekin (1975) [ca. 15’]
para Clarinete

Kunsu Shim (1958): Drei Stücke (2012) [ca. 3’]
para violino, violoncelo e piano

Gerhard Stäbler (1949): GAME - Ausschweifendes (2019) [ca.9’]
para Ensemble e 2 estudantes EA_UÉ


Parte (II), com os estudantes EA_UÉ

Joseph Byrd (1937): HISS & CLAP (1960) [ca. 3’]
para qualquer número de intérpretes

Kunsu Shim (1958): Positive Spaces for Lee Ufan, Eine Aktion (1995) [ca. 1’]

Gerhard Stäbler (1949): LichtLaut I (2022) [ca. 3’] 
Performance com Folhas de Alumínio

Kunsu Shim (1958): Drei Aktionen (2022) [ca. 5’]
Performance

Alison Knowles (1933): Nivea Creme (1962) [ca. 3’]
Performance

simutaneously with Kunsu Shim: ENT·ROLLEN from „Mutter·Vater“ (2015) [ca. 3’]
Performance

Kunsu Shim (1958) + Gerhard Stäbler (1949): Heidenlied, Eine Aktion (2023) [ca. 3’]



Beatriz Costa, violino
Ângela Carneiro, Violoncelo
Marina Camponês, Flauta
Carlos Silva, Clarinete
Ana Maria Santos, Clarinete (Professor EA_UÉ)
Alex Waite, piano
Pedro Pinto Figueiredo, Direcção Musical
Gerhard Stäbler & Kunsu Shim, Curadoria Musical

Alunos EA_UÉ:
Elisa Bastos, Soprano
Sara Araújo, Soprano
Beatriz Oliveira, Flauta
Jéssica Duarte, Clarinete
Eliana Jesus, Guitarra
André Rodrigues, Piano
Tânia Jardim, Piano


Compra o teu bilhete gratuito aqui 


Dia 4 de Novembro

Coro dos Pequenos Cidadãos, Mariana Vieira
16h30, Palácio de D. Manuel
18h00, Palácio de D. Manuel

Sobre a obra:

Ao compor as canções para o Coro dos Pequenos Cidadãos, procurei acima de tudo entrar no imaginário que foi inventado e organizado em pequenos textos pelos alunos da Escola Básica de Alumieira, e partir daí para criar mundos sonoros que o refletissem.
Os textos que me chegaram eram muito ricos em ideias - sonoras, formais, texturais... - e estavam, desde logo, marcadamente povoados de forma simbólica por elementos do mundo natural (o vento, a chuva, as folhas, o bater do coração...), o que me levou a explorar a utilização de gravações de campo na parte electroacústica para criar texturas que, em conjunto com o coro, evocam estes elementos.
No mesmo sentido, também procuro simular características destes elementos naturais de uma forma um pouco mais abstracta, tanto na electrónica como no coro, através de ideias musicais que são desenvolvidas ao longo das canções. Por exemplo, imitando a chuva ao aplicar delays à parte cantada pelo coro (repetição do mesmo elemento várias vezes), ou escrevendo uma secção do coro apenas com sons sibilantes que evocam o som que fazemos ao pisar folhas secas de árvores.
Uma vez que se trata de canções para coro e electrónica, sem recurso a outros instrumentos acústicos, há necessidade de trabalhar a escuta atenta aos meios electroacústicos. É um processo essencial para a intervenção do coro, não só para as crianças se integrarem nas paisagens sonoras apresentadas, como também para escutar as “pistas” ao nível melódico e rítmico que são apresentadas antes das entradas do coro.


Pedro Nascimento, direção musical
Jade Cambournac, encenação
Actores: Tiago Tronco, Sofia Gonçalves, Artur Geraldes, Henrique Santos, António Santos e Constança Mendes


Compra o teu bilhete gratuito aqui 


VanitasEnsemble Vertixe Sonora
21h00, Auditório do Colégio Mateus d’Aranda

Sinopse:

"Vanitas, natura morta in un atto", para voz, piano e violoncelo, de Salvatore Sciarrino, é uma fascinante obra de vanguarda, com cerca de 50 minutos de duração, que se situa algures entre uma ópera intimista e o grande Lied, e é muito representativa da carreira profissional do compositor italiano, uma das figuras de proa da música atual. Vanitas foi estreada no Teatro Piccola Scala de Milão em 1981. A composição é uma amálgama de sons de três intérpretes que assumem igual protagonismo, rivalizam e complementam-se na procura do espaço musical, mas também no silêncio, o que a torna uma composição altamente refinada e um bom exemplo do estilo composicional de Sciarrino.


Programa:

Salvatore Sciarrino: Vanitas, natura morta in un atto (1981) [ca.50]
para voz, violoncelo e piano


Yuko Kakuta, Soprano
Thomas Piel, Violoncelo
David Durá, Piano


Compra o teu bilhete gratuito aqui


Dia 5 de Novembro

r.mutt
Paulo Amendoeira | Com a participação dos alunos da Escola de Artes da Universidade de Évora David Russo e Gonçalo Cerqueira
16h30, Palácio de D. Manuel

Sinopse:

O gesto depende de duas qualidades essenciais: a sua legibilidade e o seu significado. A legibilidade é garantida se pensarmos nos gestos associados a um percussionista: é uma característica inerente à cinética dos instrumentos que manipula.
O significado é aplicado de formas bastante distintas neste concerto: por um lado, como sub-produto do ato de tocar, em peças como Splitting 4 ou Três quadros sobre pedra. As diferenças energéticas no gesto são, por si só, um meio de unificar todo o material de uma peça e desempenham um papel importante na compreensão do mesmo, para público e intérprete.
Por outro, os elementos extra-musicais tornados som e forma, em ?Corporel ou Od’estantes, onde o gesto carrega um contexto simbólico e se assume como material composicional nos campos visual e sonoro.
A simbiose entre estas duas formas de tratar o gesto como agente central e estrutural cria uma constante corrente de feedback que se auto-alimenta, estimulando o pensamento através de referências sonoras e visuais.
Em 1992, Vinko Globokar publicava Anti-Badabum, um manifesto contra uma lógica vigente na música para percussão da altura, que tratava um instrumento como capaz de produzir um som. Esta filosofia deu origem a peças com uma panóplia de instrumentos imensa, dando origem a uma nova forma estereotipada de virtuosismo baseada no puro prazer de bater num objeto, com o objetivo de tocar cada vez mais rápido e mais forte, aproximando o ato de tocar apenas a uma atividade física.
As obras apresentadas exploram diferentes objetos e instrumentos de forma aprofundada, dando origem a complexos sonoros e também visuais criados numa simbiose entre compositor e intérprete, diretamente ou como consequência da natureza aberta de algumas das partituras.


Programa:

Pauline Oliveros: Rolling Meditation (1989) [ca. 10’]

Michael Maierhof: Splitting 4 (16 Readymades) (2000) [ca. 12’]

Vinko Globokar: ?Corporel (1989) [ca. 8’]

Luís Antunes Pena: Três Quadros sobre Pedra (2008) [ca. 9’]

Eva Aguilar: Od’estantes (2023) [ca. 12’]

Paulo Amendoeira, Percussão
Gonçalo Cerqueira e David Russo, Percussão


Compra o teu bilhete gratuito aqui


A Versatilidade das Cordas | ars ad hoc
21h00, Auditório do Colégio Mateus d’Aranda

Programa:

Mariana Vieira (1997): Quarteto de Cordas nº1 (2023) [ca. 10’]

Beat Furrer (1954): Spur (1998) [ca. 15']
quinteto com piano

Beat Furrer (1954): intorno al bianco (2016) [ca.25']
quinteto com clarinete


Matilde Loureiro e Diogo Coelho, violino
Ricardo Gaspar, viola
Gonçalo Lélis, violoncelo
Horácio Ferreira, clarinete
João Casimiro Almeida, piano

Diana Ferreira, programação
Arte no Tempo, produção

A Arte no Tempo é uma estrutura financiada pela República Portuguesa – Cultura / Direcção Geral das Artes.

Compra o teu bilhete gratuito aqui

Biografias:


Ana Telles
A pianista portuguesa Ana Telles estudou em Lisboa, Nova Iorque e Paris, tendo obtido o grau de Bachelor of Arts (Piano Performance) na Manhattan School of Music e o de Master of Musical Arts (na mesma especialidade) na New York University. Estudou com Yvonne Loriod-Messiaen, Sara D. Buechner, Nina Svetlanova, Dmitry Paperno, Sequeira Costa e Alicia de Larrocha (Piano), bem como Isidore Cohen e Sylvia Rosenberg (Música de Câmara), entre outros.
Ana Telles tem tocado como solista e integrada em grupos de música de câmara em Portugal, Espanha, Alemanha, França, Itália, Irlanda, Polónia, Cuba, Brasil, Taiwan, Coreia do Sul e E.U.A. Apresentou-se em salas prestigiadas tais como a Salle Cortot (Paris), o Grande Auditório de Dijon (França), o Borden Auditorium (Nova Iorque, E.U.A.), a Sophiensaele (Berlim), o Grande e o Pequeno Auditórios da Fundação Calouste Gulbenkian, o Grande Auditório da Culturgest e o Pequeno Auditório do Centro Cultural de Bélem, entre outras. Ana Telles é Professora Associada com Agregação no Departamento de Música da Universidade de Évora e Directora da Escola de Artes da mesma Universidade desde Janeiro de 2017.

Ana Telles ©Manuel Luís Cochofel



Ars ad hoc
O ars ad hoc foi criado no contexto da Arte no Tempo como resposta à vontade de fazer música de câmara com os mais elevados padrões de exigência, combinando obras do grande repertório com a mais recente criação musical. O seu primeiro concerto decorreu no Outono de 2018, numa temporada apoiada pela Direcção Geral das Artes e o Município de Aveiro, em que pôs em confronto música de grandes clássicos com o trabalho de um dos mais interessantes criadores do nosso tempo, o compositor suíço-austríaco Beat Furrer (Schaffhausen, 1954), com quem preparou, em 2019, a estreia nacional do seu quinteto intorno al bianco [2016]. 
Na atribulada temporada de 2019/20, o ars ad hoc prestou particular atenção à música de Ludwig van Beethoven (1770-1827) e de Luís Antunes Pena (1973), tendo ainda revisitado obras de Beat Furrer e interpretado obras tão extraordinárias como Talea [1982], de Gérard Grisey (1946-1998). Além da sua “temporada regular”, o ars ad hoc marcou ainda presença em alguns festivais, estreando obras encomendadas a compositores portugueses e estrangeiros. 
Ainda condicionada pela pandemia de COVID-19, a temporada de 2020/21 trouxe algumas estreias nacionais e absolutas, tendo o ano de 2021 ficado positivamente marcado pelo início da colaboração do agrupamento com a Fundação de Serralves, onde passa a desenvolver as suas residências artísticas, encontrando o ambiente adequado ao desenvolvimento de um trabalho sério de preparação e de apresentação do que tem vindo a desenvolver especificamente no campo da música dos nossos dias – trabalho esse que, de forma mais isolada, apenas vinha a apresentar nas bienais que a Arte no Tempo realiza no Teatro Aveirense. Outras colaborações, trazem a público um ars ad hoc com um campo de acção mais abrangente e versátil, combinando a mais recente criação musical com obras incontornáveis do grande repertório clássico e romântico. 
Em 2021/22, o ars ad hoc explorou em especial a música de Simon Steen-Andersen (1976), não deixando de fazer estreias absolutas de compositores portugueses e estreias nacionais de compositores como Beat Furrer, Joanna Bailie e Clara Iannotta. Centrando-se no universo de Helmut Lachnemann (1935), a temporada de 2022/23 contou com mais estreias de compositores portugueses e com a passagem do agrupamento por diferentes festivais. 
A compositora em foco na temporada de 2023/24 é a italiana Clara Iannotta (1983). 
O desenvolvimento de um trabalho regular na Fundação de Serralves – com programas próprios e outros paralelos às exposições, em colaboração com o Serviço de Artes Performativas – tem sido um importante contributo para o crescimento artístico do projecto, que continua a levar a grande música a diferentes palcos e a públicos diversos, dando a conhecer o que de melhor se cria nos nossos dias e impulsionando a criação de nova música, em especial junto de compositores mais novos. 
Apesar de ter já realizado mais de uma dezena de estreias absolutas e outras tantas primeiras audições portuguesas, o ars ad hoc pretende afirmar-se pela qualidade do trabalho que desenvolve, privilegiando a profundidade das suas interpretações em detrimento do número de obras ou compositores tocados, procurando, sempre que possível, desenvolver uma relação de proximidade com os compositores na exploração das obras. 
Com programação de Diana Ferreira, o ars ad hoc é formado por músicos que, depois de se terem notabilizado em Portugal, complementaram os seus estudos no estrangeiro, como o flautista Ricardo Carvalho (Aveiro, 1999), o clarinetista Horácio Ferreira (Pinheiro de Ázere, 1988), o pianista João Casimiro de Almeida (Cabeceiras de Basto, 1994), os violinistas Álvaro Pereira (Guimarães, 1986), Diogo Coelho (Porto, 1988) e Matilde Loureiro (Lisboa, 1994), os violetistas Ricardo Gaspar (Lisboa, 1991) e Francisco Lourenço (Lisboa, 1997) e o violoncelista Gonçalo Lélis (Aveiro, 1995).

ars ad hoc @André Delhaye_Fundação de Serralves




David Russo
David Rodrigues Russo, natural de Évora, concluiu o 8º grau do Curso Articulado de Música, no Conservatório Regional de Música de Évora – Eborae Musica, na classe do Professor Vasco Ramalho.
Concluiu, no passado ano letivo, a Licenciatura em Música na Universidade de Évora, sob a tutoria do Professor Marco Fernandes e Eduardo Lopes.
Participou em várias masterclasses com professores de renome dos quais salienta: Ludwig Albert, Theodor Milkov, Rui Sul Gomes, Igor Lesnik, Nuno Aroso, Miquel Bernat, Jeffery Davis, André Dias, Pedro Carneiro, entre outros.
Integrou diversos estágios e festivais entre os quais o 3º Festival Itinerante de Percussão (FIP); o V Estágio da Orquestra Sinfónica “Ensemble” e fez reforço na Orquestra do Alentejo.
Faz parte do Ensemble de Clarinetes da Universidade de Évora, tendo apresentado vários espetáculos, dos quais destaca o espetáculo de dia 3 de janeiro de 2023, no Teatro Garcia de Resende, em Évora.
Realizou vários concertos com o Ensemble de Metais de Universidade de Évora, bem como com o Ensemble de Metais da Metropolitana. 


David Russo


Ensemble DME
O Ensemble DME foi criado em 2013 no âmbito do Projecto DME, uma iniciativa fundada pelo compositor Jaime Reis para promover a prática musical contemporânea e electroacústica. Tem como maestros residentes Pedro Pinto Figueiredo e Jean-Sébastien Béreau.
O Ensemble DME actuou em numerosas salas de concertos e festivais, dos quais destacamos a Fundação Logos (Gent, Bélgica), a digressão pelo Brasil com mais de uma dezena de concertos, o Auditorio Santa María (Plasencia, Espanha), Casa da Música (Porto), Palácio Foz e Museu Nacional de Arte Antiga (Lisboa).
O Ensemble DME tem quatro edições fonográficas, onde se incluem os monográficos de Mario Mary (editora CMMAS) e de João Pedro Oliveira, e as edições com foco nas obras de autores portugueses contemporâneos para violeta, por Aida-Carmen Soanea, e para piano, por Ana Telles.
Ao longo de uma década de actividade, o Ensemble DME tem interpretado obras de compositores como Brian Ferneyhough, Christopher Bochmann, Elliott Carter, Gerhard Stäbler, Gérard Grisey, Jaime Reis, Jean-Sébastien Béreau, Lula Romero e Ludger Brümmer. 
Actualmente, tem orientado o seu trabalho para projectos multidisciplinares, onde se destaca a estreia do espetáculo “Geometrias do Inelidível”, de Jaime Reis, produzido pela EMSCAN em 2022, e o concerto co-organizado com o Instituto Italiano de Cultura de Lisboa, “Esplorazioni”, dedicado à relação entre espaço e som, com o compositor e maestro italiano Valerio Sannicandro, que incluiu estreias de obras suas e do compositor e arquitecto Diogo Alvim.

Ensemble DME @Pedro Pina



Gerhard Stäbler
Gerhard Stäbler (*1949) é um dos mais distintos compositores da sua geração: estreias recentes incluem Chicago, Kiev, Montevideo, Tóquio, Wroclaw, nos teatros de Linz, Munique, Münster, Oslo, Würzburg e Ulm, e em várias cidades alemãs (por exemplo, Colónia: HÖR-FLECKEN numa estação de metro e versão orquestral de Den Müllfahrern von San Francisco na Philharmonie). Por ocasião do 70º aniversário de Stäbler, foram realizados extensos concertos de retrato em Seul, Estugarda, Colónia, Duisburg e Trier, entre outros. A obra de conjunto GAME e o quarteto de cordas "- - ] erzählen" foram criados para esta ocasião. Durante o período de paragem cultural em 2020/21, Stäbler escreveu, entre outras, a obra orquestral "TIEFEN-SCHÄRFE", o noneto "LOB DES SELBEN", "all is to be dared" para conjunto vocal, "Magische Spiele" para até 17 pianos e "Taubes Schwarz" para conjunto. Houve também emissões na RBB, Rádio Belgrado, NDR, DLF, SWR e projectos em Dresden, Coreia e no Festival Contraste (Lviv, Ucrânia). Em 2022 / 2023, Stäbler, juntamente com Kunsu Shim, passou residências de estudo alargadas em Istambul, com workshops expostos e concertos performativos na Casa da Cultura Barin Han, em cooperação com a Universidade BAU, e no Museu ARTER de Arte Contemporânea.
Seguiram-se, em 2023, em Trier, as estreias mundiais de CELAN-SONG para soprano e piano (2021) e "Magische Spiele" para 4 pianos. 2023 / 2024: várias residências em Portugal e na Turquia. 
Em 2015 - com o apoio da Kunststiftung NRW - a Pfau-Verlag publicou o livro Gerhard Stäbler. "live / the opposite / daring" - música, gráfico, conceito, evento de Paul Attinello.

Gerhard Stäbler ©EarPort




Gonçalo Cerqueira
Gonçalo Cerqueira (1999) iniciou em 2018 a Licenciatura em Música na Universidade de Évora, na classe do professor Marco Fernandes, terminando o curso com 17 valores no recital final.
Atualmente frequenta o Mestrado em Ensino de Música, na Universidade de Évora, sob orientação do Professor Doutor Eduardo Lopes.
Em 2022, apresentou a obra “Asanga” do compositor Kevin Vollans, a solo no Cine-Teatro Curvo Semedo. No mesmo ano, executou a estreia absoluta da obra “Simple Thing” para Vibrafone do compositor Alexandre Almeida. Ainda participou enquanto orador no segundo Seminário de Didática Específica para o Ensino Vocacional de Música, realizado pela Universidade de Évora.
Participou em Masterclasses com professores como Rui Sul Gomes, Jeffery Davis, André Dias, Ramon Lormans, Vicent Houdijk, Anders Astrand, Maikel Claessens, Abel Cardoso, Ludwing Albert, Richard Buckley.
Membro integrante do Ensemble de Percussão do Professor Miquel Bernat em 2019 no Festival itinerante de Percussão, membro da Orquestra Nacional de Sopros (Portel) em 2017 e 2018, membro integrante da Orquestra de Sopros da Universidade de Évora, participou em vários programas da Orquestra de Cordas da Universidade de Évora dirigida, é também membro da Banda da SAFM "Carlista".

Gonçalo Cerqueira




Jade Cambournac 
Jade Cambournac (Lisboa, 2000) começou os seus estudos artísticos aos 5 anos de idade na Escola Artística de Música do Conservatório Nacional, sendo que em 2018 terminou o curso de Música com a classificação máxima de 20 valores na Prova Final de Curso. Nesse mesmo ano continuou os seus estudos na Escuela Superior de Música Reina Sofia, em Madrid, onde estudou na classe da professora Ana Chumachenco com bolsa de estudos. 
Como violinista tem sido laureada em diversos concursos e tem participado em festivais e masterclasses nacionais e internacionais tendo-se apresentado em diversas salas de espetáculo ou em recitais a solo, ou acompanhada ao piano ou acompanhada por orquestra. 
Atualmente dedica-se maioritariamente ao teatro, área que desde cedo fez parte do seu percurso artístico. No âmbito escolar teve aulas de representação durante vários anos na classe de expressão dramática do Conservatório Nacional, frequentou os cursos de iniciação ao teatro e de Improvisação e Criação do Espetáculo na EVOÉ e actualmente frequenta o curso de Teatro da Universidade de Évora. 
Como actriz trabalhou sob a encenação de nomes como Ana Tamen, Bruno Cochat, Elena Nentwig, Filipe La Feria, João Sobral, Jorge Balsa, José Alegria,  Maria João Vicente, Paulo Alves Pereira, Ricardo Silva e Rubén Santos. 

Jade Cambournac




Kunsu Shim
Kunsu Shim (*1958) é um compositor e artista performativo. Na sua linguagem sonora, fundem-se ideias de opostos como o caos e a ordem, o acaso e a causalidade, o caminhar e o demorar, a fuga e a interrupção, o suave e o áspero, eu e tu (WE). Shim entende o seu trabalho como uma contemplação da exterioridade, ou seja, sem misticismo. As suas performances na sucessão do Fluxus esforçam-se por destruir a visibilidade das coisas, tornando-as intangíveis. Desde o início dos anos 90, a sua colaboração com o compositor alemão Gerhard Stäbler também tem sido formativa, desde o conceito original de música performativa até às composições conjuntas. Para o ano do aniversário de Beethoven 2020, compôs, entre outras, a obra orquestral VON HIER FORT? - Um Intermezzo para a Sinfonia n.º 7 de Beethoven e uma performance com sinfonias de Beethoven para vários gira-discos ... ÖFFNETE PLÖTZLICH DIE AUGEN. (... OS OLHOS ABRIRAM-SE DE REPENTE). No verão de 2022, o CD Luft.Inneres com o Quarteto de Cordas Luna foi lançado pela famosa editora britânica anothertimbre.com. Em setembro de 2022, a obra de conjunto KLEINES, FERNES foi estreada no âmbito da Muziek Biennale Niederrhein, encomendada pela Kunststiftung NRW. Em fevereiro de 2023, o quarteto de cordas "So Seidig, So Subtil" foi estreado pelo Luna Quartet Amsterdam no Opening Festival 23 em Trier. 
No outono passado, Shim foi nomeado, juntamente com Stäbler, professor visitante na Universidade Nacional do Uruguai, em Montevideu. Em 2022/23, Shim e Stäbler receberam uma bolsa de residência da Kunststiftung NRW para uma estadia de três meses em Istambul. Aí realizaram workshops na Universidade BAU, um concerto com estudantes desta universidade na Barin Han Art House, e organizaram o grande projeto "Good-Bye Paradise?" em colaboração com o Hezarfen Ensemble no Museu ARTER de Arte Contemporânea no final de janeiro de 2023, apoiado pela Kunststiftung NRW e pelo Ministério da Cultura e Ciência do Estado da NRW. Além disso, Shim e Stäbler foram convidados pela segunda vez como professores convidados do Conservatório de Amesterdão, no início de abril deste ano, para dirigir um workshop que durou vários dias e cujo concerto final decorreu na casa de dança ICK Dans Amsterdam.
Em 2018, o Instituto Heinrich Heine de Düsseldorf, com financiamento da Kunststiftung NRW, publicou o livro LEISE.FREI sobre o extenso trabalho composicional e visual de Shim na Edition Virgines. 

Kunsu Shim @EarPort




Mariana Vieira
Mariana Vieira (Sintra, 1997) completou a licenciatura em Composição e o mestrado em ensino de música na Escola Superior de Música de Lisboa, onde estudou com Carlos Caires e Jaime Reis.
O seu catálogo inclui música acusmática, mista e instrumental, para formações de música de câmara, ensemble, orquestra e a solo, bem como obras didácticas.
A sua música foi apresentada em festivais como Young Euro Classic e BachFest (Alemanha), L'Espace du Son (Bélgica), Audio Art (Polónia), Electroacoustic Music Days (Grécia) Crossroads e Echoes Around Me (Áustria), Monaco Electroacoustique (Mónaco), Aveiro_Síntese e Música Viva (Portugal). 
Recebeu prémios como o “European Composer Award” (Alemanha) em 2017 com a sua peça "Raiz", escrita para a Jovem Orquestra Portuguesa (JOP), o “Electronic Music Composition Contest” da revista Musicworks (Canadá) em 2021 e o concurso “Young Lion*ess of Acousmatic Music” promovido pelo “The Acousmatic Project” (Áustria) em 2022.
Além da sua produção composicional, interessa-se por desenvolver projectos artísticos que combinem música e tecnologia, trabalho que concretiza enquanto membro da equipa do projecto DME, do espaço Lisboa Incomum e da associação EMSCAN. É Professora Assistente na Escola Superior de Artes Aplicadas (Castelo Branco, Portugal).

Mariana Vieira @Sofia Nunes




Paulo Amendoeira
Paulo Amendoeira é um percussionista dedicado à música contemporânea estabelecido em Bern. Está interessado em criar e promover nova música, a solo ou música de câmara. Inclui a
improvisação livre, a electrónica e outros meios multimédia ao seu universo estético.
Foi membro da Academia do Sond'Ar-Te Electric Ensemble, Ulysses Percussion Ensemble 2022 (em parceria com Percussions de Strasbourg), epoche f (com membros do Ensemble Modern) e desenvolveu um espetáculo multidisciplinar para crianças no Centro Cultural de Belém/Fábrica das Artes (com Sete Lágrimas).
Apresentou-se em festivais como Warsaw Autumn Festival, ManiFeste (IRCAM), Time of Music Vitaasaari, Gaudeamus Festival, IndieLisboa, OutFest, GMEA Experiences, Festival Itinerante de Percussão, BigBang, Festival Música Viva, Festival Jovens Músicos.
Colaborou com compositores como João Quinteiro, Eva Aguilar, João Carlos Pinto, Carlos Lopes, Inês Madeira Lopes, Miguel Azguime, Beat Furrer, Zeynep Toraman, David Bird, Michael Maierhof, Cathy van Eck, Elnaz Seyedi.
Concluiu a licenciatura na Escola Superior de Música de Lisboa, com Pedro Carneiro em 2023. No mesmo ano, inicia o mestrado em performance na Hochschule der Künste Bern com Brian Archinal.
Os seus principais projectos são ASTRUS Duo, touchez e | klang.data|. É membro do Capdeville Ensemble e colabora com as Percussões da Metropolitana, o Concrète [Lab] Ensemble, o MerakTrio e a Orquestra de Câmara Portuguesa.

Paulo Amendoeira @João Fructuosa





Pedro Nascimento
Natural do Porto, frequentou o Conservatório de Música da mesma cidade, a Escola de Música do Conservatório Nacional, em Lisboa, e o Conservatório Licínio Refice de Frosinone, em Itália. Encontra-se a concluir o mestrado em ensino da música na Escola Superior de Artes Aplicadas, em Castelo Branco.
Enquanto coralista, colaborou com: Círculo Portuense de Ópera, Estúdio de Ópera da Casa da Música, Companhia Portuguesa de Ópera, Orquestra do Norte, Orquestra do Algarve, Voces Caelestes, entre outros, e integrou o elenco do musical Amália de Filipe La Féria.
Entre 2005 e 2011 foi membro do coro da Fundação Calouste Gulbenkian. 
Enquanto cantor solista, apresentou-se em recitais e integrou o elenco de várias oratórias. Interpretou mais de 15 papéis de ópera, entre os quais a estreia de Tio Lopes, em Orquídea Branca, de Jorge Salgueiro, e Selimo, em La Zaira, de Marcos de Portugal, na Fundação Calouste Gulbenkian.
Frequentou cursos e masterclasses de direção coral com Silvano Mangiapelo, Eugene Rogers, Piero Gallo, Paulo Lourenço, Elisenda Carrasco e Stephen Coker, entre outros.
Foi professor de canto e coro no Conservatório Regional de Évora, na Álamos Art - Academia de Música e Artes dos Álamos e no Conservatório Regional de Artes do Montijo.
Organiza regularmente vários eventos corais para crianças e jovens.
Actualmente, dirige os coros CorUÉ - Coro da Universidade de Évora, Coral Évora, Coro de Câmara de Montargil e o Coro da Casa do Povo de Lavre.

Pedro Nascimento



Pedro Pinto Figueiredo

Pedro Pinto Figueiredo (maestro e compositor) nasceu em Lisboa. Depois de terminar o Curso Geral de Composição da Escola de Música do Conservatório Nacional de Lisboa, concluiu o bacharelato em Composição na Escola Superior de Música de Lisboa, onde estudou com o professor e compositor Christopher Bochmann. Trabalhou mais tarde, com o compositor Emmanuel Nunes, em Paris, enquanto bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. 
Em 1997, iniciou os estudos de Direcção de Orquestra no Conservatório de Dijon, na classe do Maestro Jean Sebastian Béreau, tendo conquistado, em 2002, a medalha de ouro do concurso de finalistas do respectivo conservatório. Trabalhou também com o Maestro Peter Rundel e Emílio Pomarico, na área da direcção de música contemporânea, e colaborou com o primeiro na gravação de Duktus e Epures de la serpen vert, bem como na ópera Das Märchen, de Emmanuel Nunes. Em 2009, estreou na Casa da Música, como maestro assistente, a obra La Douce, de Emmanuel Nunes.
Em 2002, iniciou os projectos Orquestra A2M – Arquivo da Memória Musical e, em 2003, o grupo de música contemporânea, Lisbon Ensemble 20/21.
Em 2003, estreia-se em Portugal com a Orquestra Filarmonia das Beiras, tendo desde então dirigido vários agrupamentos e orquestras, no pais e no estrangeiro, de que se salientam a Orquestra do Algarve, Orquestra de Câmara de Almada, a OrquestrUtópica, o Grupo de Musica Contemporânea de Lisboa, Ensemble DME, Orquestra Gulbenkian, Vertixe Sonora, New Babylon e Remix Ensemble,.
É um dos fundadores e agora presidente da direção da Associação Portuguesa de Compositores desde 2017.

Pedro Pinto Figueiredo @João Vasco




Vertixe Sonora
Desde o seu aparecimento em 2010, Vertixe Sonora tornou-se uma verdadeira força motriz da sociedade espanhola e um dos seus conjuntos mais activos. As estreias permanentes de novas obras permitem-lhe participar na criação sonora internacional com um protagonismo ativo e desafiante. É já um ponto de referência insubstituível para a última geração de compositores internacionais que encontram nas suas produções a oportunidade de desenvolver propostas musicais com uma perspetiva global e num estado de permanente convulsão, em busca da excelência artística. O Vertixe Sonora desenvolve uma programação diversificada que dinamiza o ecossistema cultural europeu, favorecendo o intercâmbio e a coesão através da música do nosso tempo. 
Os ciclos "Música e a Arte: Correspondências Sonoras" no CGAC, "Do Audible" (um encontro entre música contemporânea, ciência, arte e pensamento), "MIHLsons" na cidade de Lugo, ou o seu próprio "Festival Internacional Vertixe", são algumas das contribuições que renovaram o público musical espanhol da Galiza. Vencedor do Prémio Martín Codax 2016 de Música Clássica Contemporânea, realizou mais de 300 estreias mundiais de compositores de todo o mundo. Em Espanha tem levado o seu repertório à Mostra Sonora de Sueca, Festival XXXVI Encontre Internacional de Compositores em Maiorca, Ciclo BBVA de Música Contemporânea de Bilbao, Festival SON de Madrid, Festival SMASH de San Sebastián, Festival Bernaola de Vitoria, Festival MIXTUR de Barcelona como ensemble residente ou no XXVII Premio Jóvenes Compositores SGAE-CNDM 2016 no Auditorio 400 do Museo Nacional del Centro de Arte Reina Sofía. O seu reconhecimento internacional permite-lhes estar presentes no Oh Ton Festival em Oldenburg (Alemanha), Festival Electr()cution em Brest (França), Levande Musik em Goteborg e Samtida Musik em Estocolmo (Suécia), Festival de Música Nova de Monterrey (México), CSUF New Music Series, Meng Fall Fullerton, California (EUA), ou ensemble residente no Soundscape Festival em Cesena (Itália). 2019 levou-os novamente ao México, ao Festival Callejón del Ruido, em Guanajuato, e à cidade de Basileia (Suíça). Recentemente, desenvolveram os seus projectos em Viena e Hong Kong.
O seu trabalho foi apresentado no documentário Correspondencias sonoras (2013), do realizador Manuel del Río e em son[UT]opias (2014) da Universidade de Santiago de Compostela. A Vertixe editou em CD, entre outros, o concerto do XXVII Premio Jóvenes Compositores Fundación SGAE-CNDM 2016, o ciclo Die Wanderung do compositor Lula Romero para a WERGO em 2019, uma monografia do mexicano Víctor Ibarra para a NEOS em 2020, e outra monografia do colombiano Camilo Méndez também para a NEOS em 2023. 
Desde 2021, o Vertixe é a secção espanhola da INTERNATIONAL SOCIETY FOR CONTEMPORARY MUSIC (ISCM).



3 de Novembro de 2023

Salão Nobre do Teatro Garcia de Resende 
Diálogos de som e imagem: Obras para piano, electrónica e vídeo | Ana Telles
@Teresa Ramos Maluenga








Auditório do Colégio Mateus d’Aranda 
FADENSPIELE | Ensemble DME, Gerhard Stäbler & Kunsu Shim | Com a participação dos alunos da Escola de Artes da Universidade de Évora

@Teresa Ramos Maluenga

















@Projecto DME




4 de Novembro de 2023

Palácio de D. Manuel:
Coro dos Pequenos Cidadãos | Mariana Vieira

@Teresa Ramos Maluenga














Auditório do Colégio Mateus d’Aranda
Vanitas | Ensemble Vertixe Sonora

@Teresa Ramos Maluenga







5 de Novembro de 2023

Palácio de D. Manuel:
r.mutt | Paulo Amendoeira
Com a participação dos alunos da Escola de Artes da Universidade de Évora David Russo e Gonçalo Cerqueira

@Teresa Ramos Maluenga












Auditório do Colégio Mateus d’Aranda:
A Versatilidade das Cordas | ars ad hoc

@Teresa Ramos Maluenga














Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Festival Imersivo 2024

DME | Aveiro_Síntese

Cultura & Sustentabilidade 2023